Raposa Crítica
Freebie Banco de Ideias
Resenhas
TOP COMENTARISTA SETEMBRO

A duas mesas de distância

Eu o conheço a muito tempo, mas ele nunca me conheceu. É aquele tipo de pessoa que passa por você no corredor da faculdade e chama a sua atenção. Não por atração, excesso de beleza ou um perfume chamativo, apesar de ter todos os dois últimos.

Já ouvi a voz dele de longe, talvez num dias desses que ele ficou perto de mim numa fila aleatória que todo universitário se acostuma a ficar. Tem um sotaque forte de quem não é da região, nem do país. Não sei que curso faz, nem seu nome, mas suponho que seja um dos intercambistas africanos, perdão se estiver errada.

No dia em que mais o observei, há um tempo atrás, ele estava com uma camiseta branca e um pingente de ouro, ressaltando a pele ébano. O cabeço em tranças afro bem rente ao pescoço e um prato generoso na bandeja.

Vejam, não estou aqui para confessar amor por ninguém, mas um caso de profundo respeito e admiração.

Aconteceu bem simples e inesperadamente. Eu estava pensando o quão bem de vida a família do rapaz cheio de jóias que brilhavam douradas deveria ser a ponto dele poder estar estudando a um atlântico de distância quando o mesmo juntou as duas mãos rente ao peito e abaixou a cabeça.

Levei um milésimo de segundo para entender o gesto e outro ler um obrigado saindo de seus lábios, o milésimo a seguir foi para abaixar os olhos envergonhadamente para minha própria comida.

Há duas mesas de distância, aquele moreno que nunca sequer soube o nome me lembrou de uma lição que na correria do dia a dia tinha deixado de lado: agradecer o pouco mesmo que possamos ter muito.


Eu disse que estava de volta, desculpem-me se o ritmo das postagens ainda estão meio lentos, estou colocando as coisas em ordem aos poucos. Como podem ver, o domínio do blog mudou, apesar de eu não ter conseguido o .com.br porque ele já estava comprado pelo… grupon. É.

E vocês, costumam escrever crônicas e contos? Deixem links no comentário, eu adoraria lê-los.

A fanpage pelo menos estou me esforçando pra manter bem atualizada, ao menos diariamente, visitem e curtam! 🙂

Notas do Cotidiano: A Leitora
Desculpa, mas não consigo te amar
Tudo que me completa, e te substitui

7 comentários
  • Luigi Lunewalker

    Oh, agora descobri por que tinha esse blog no favoritos. Eu tinha me esquecido que era seu, Jade. E caramba, eu gostei desse texto, gostei mesmo. A mensagem que transmite é bastante bonita, não apenas lembre-se de agradecer pelo que tem, mas também lembre-se de que você não está correndo do ponto A ao ponto B, há coisas tão belas no caminho entre seus destinos que deveria ser um tipo de crime não reparar nelas. Eu gostei, gostei de verdade.

    Responder
  • Nikki

    Achei o gesto do menino tão, tão lindo :~~ Nós realmente deixamos esses detalhes passar batido no dia-a-dia.

    Responder
    • Jade Amorim

      Eu deixo muito, Nikki. O tempo todo, e isso não deveria acontecer, mas a gente sempre tá correndo tanto de um lado pro outro que fica complicado né?
      Fico feliz que tenha gostado.

      Beijos.

      Responder
  • Ariana Coimbra

    Eu consigo admirar uma pessoa só observando os gestos, olhares e atitudes dela. E acho isso mágico.
    Belo post!

    Responder
    • Jade Amorim

      Eu, particularmente, sou uma pessoa bem distraída. É raro quando alguém me chama a atenção e eu presto atenção em seus gestos, talvez por isso esse tenha me chamado tanto a atenção.

      Beijos. 😉

      Responder
  • Natália

    Que lindo, adorei *-* É como se pudéssemos admirar as pessoas sem nos apaixonarmos por elas; geralmente tudo se confunde. Adorei mesmo.

    Beijos! || ape56.blogspot.com

    Responder
    • Jade Amorim

      Obrigada Natália! Fico muito feliz que tenha gostado! De fato existem muitas pessoas na qual podemos admirar sem nos apaixonar! 🙂

      Beijos.

      Responder

Receba as novidades: