Deuses Americanos de Neil Gaiman para a TV

Uma das minhas metas do ano era ler mais livros de Neil Gaiman. Apesar de conhecer seus quadrinhos, pouco sabia de seus livros.Dentre todos os seus livros, Deuses Americanos foi o que mais ouvi falar. Eu precisava ler, eles diziam. Contudo, por o livro ter um preço um pouco salgado, posterguei a compra até o dia que fiquei sabendo da série.

E Deuses Americanos é um livro estranho. É um livro muito bom, mas é um livro estranho. E, talvez exatamente por isso, nestes dois primeiros episódios da série lançada pela Starz, a série também seja uma série estranha.

A narrativa do Neil Gaiman é muito peculiar. Se você está esperando encontrar cenas e mais cenas de lutas e guerras, pode ir assistir outra coisa. Deuses Americanos é uma série cheia de diálogos inteligentes, reflexões místicas e uma boa dose de psicodelismo. Guerras podem acontecer em uma mesa de bar no meio de um drink ou outro.

A trama é centrada em uma guerra entre os velhos e os novos deuses. Os seres bíblicos e mitológicos estão perdendo cada vez mais fiéis para novos deuses. Esses novos deuses refletem o novo objeto de veneração dos humanos: dinheiro, tecnologia, celebridades e drogas.

O nosso protagonista é Shadow (Ricky Whittle, de The 100), um ex-presidiário que agora serve como segurança para o Sr. Wednesday (Ian McShane, de Piratas do Caribe), um homem fraudulento que é, na verdade, um dos velhos deuses e está em uma missão: reunir forças para lutar contra as novas entidades.

Durante a série vamos acompanhar Shadow  e Wednesday em uma grande viagem pelos Estados Unidos. Vamos conhecer deuses a muito esquecidos e outros muito poderosos. Também seremos apresentados a temos passados e remotos que nos contam como esses deuses antigos chegaram ao continente americano. Afinal, eles são originários de outros países e talvez sua presença não seja tão onisciente assim.

Não importa que você não acreditasse em nós. Nós ainda acreditávamos em você.

Quando eu peguei o primeiro episódio da série em mãos, confesso que fiquei um pouco desapontada. Por ser uma série muito gráfica, com vários momentos psicodélicos e sangrentos, os efeitos foram o que mais me incomodou. Meio que tinha sangue demais e credibilidade de menos.

Contudo, logo pude descobrir que, na verdade, essa é uma característica do Bryan Fuller (Hannibal, Pushing Dasies), nosso diretor. Então, logo quando fui assistir o segundo episódio, me senti muito mais confortável com o estilo dos efeitos especiais.

Neil Gaiman, o nosso autor, também é o responsável pela direção executiva da série. Apesar de não vermos uma adaptação ao pé da letra da história do livro, até o dado momento a fidelização é ótima.

No que se diz respeito aos personagens a caracterização do Shadow e do Wednesday estão incríveis. Mad Sweeney (Pablo Schreiber) também é exatamente como eu imaginava. Fiquei um pouco incomodada com a mudança brusca do Technical Boy (Bruce Langley), não porque ele não ficou bem caracterizado, mas porque estava muito claro que o personagem era um garoto gordo de cabelos escuros. Apenas me questionei de qual a necessidade dessa alteração, sendo que eles buscaram tamanha fidelidade nos outros.

Ainda é muito cedo para bater o martelo em cima da série de Deuses Americanos, pois pouco saboreamos de seus episódios, contudo já é muito claro que a série é única no que se propõe e, conhecendo a capacidade de impressionar e criar coisas fantásticas do nada de Gaiman, as expectativas estão super altas.

Até o momento a série vem me agradando muito. Pretendo acompanhar semanalmente seu lançamento, e inclusive faço alguns comentários sobre o episódio no Banco de Séries. E você, está assistindo? Pretende ver? Já leu o livro? Me conta sua experiência. 😉

Related Posts

16 Discussion to this post

  1. Eu fico na dúvida se deveria ler antes o livro, geralmente é o “caminho certo” (se é que há isso rs), mas a história (que desconhecia) parece realmente interessante! Achei que fosse completamente diferente, mas esse lance entre deuses novos e antigos foi bem criativo.

    E quanto a assistir a série… bem… eu tenho dias certos e (muito) errados pra ver muito sangue, então vou ter que me “planejar”. Valeu pela dica!

    • Jade Amorim disse:

      César, tirando os três primeiros episódios, a série começou a seguir um rumo completamente diferente do livro., então sinta-se livre para ler ou assistir na ordem que desejar, já tenha na sua cabeça que serão duas histórias diferentes! hahaha Estou acompanhando fielmente toda semana louca para saber como isso vai continuar! 🙂

  2. Amanda disse:

    Olá! Eu sou fanática por Neil Gaiman, já li e estou assistindo American Gods, e estou apaixonada até agora. Porém acho que a série realmente não é para todos os gostos, e sim para um público bem específico, porque não é nada fácil entrar na mente do Gaiman e não achar tudo uma loucura sem fim. Os efeitos gráficos também me incomodaram, mas eu entendo o motivo de tanto banho de sangue: sangue é poder para os deuses antigos. Isso é bem explicado no livro, mas na série tem a dificuldade da adaptação, então tinha que ficar bem marcado. Já as mudanças do Tech Boy eu adorei! O Gaiman explicou que mais de 10 anos se passaram e ele simplesmente não via mais a Internet com o esteriótipo do garoto gordo mimado, e sim um jovem irritante.

    Gostei muito da indicação que você fez.
    Beijos!

    • Jade Amorim disse:

      Amanda, eu concordo totalmente contigo! Entrar na cabeça do Gaiman não é das tarefas mais fáceis., mas é uma viagem incrível. Eu entendo também porque a série usa esse excesso de sangue, mas não muda o fato de que eu não gosto muito, sabe? Prefiro algo mais crível. haha Sobre a mudança do Technical Boy, eu fiquei sabendo dessa escolha do Gaiman e agora achei incrível! 😀

  3. Mari disse:

    Quero muito ler e assistir. Gosto do Neil Gaiman, mas ele tem um estilo todo peculiar, então não é tudo que eu caio de amores…
    beijos
    Mari

    • Jade Amorim disse:

      Mari, ele é bastante peculiar sim, mas é tudo super original, então mesmo que num ritmo mais lento é uma delícia de ler! 😀

  4. Tatiane disse:


    Eu quero muito ler esse livro ♥♥
    Desde que começaram a falar dele já adicionei na minha lista de leitura e depois do seu post a vontade aumentou e muito.
    Mas vou esperar um pouco pra ver de acho uma promoção kkkkk 😀
    O que dizer dessa trailer?! Eu adorei ♥
    Espero poder ler o livro em breve e acompanhar a série.
    ótima semana
    bjo

  5. Eu nunca li nada de Neil Gaiman, pq não o conhecia mesmo. Mas coincidentemente estive na livraria esses dias e vi livros dele por todo canto. Agora sei o motivo, tem série de um dos livros. Que eu vou procurar ver agora depois de suas críticas.
    Bjks!

    http://mundinhodahanna.blogspot.com

    • Jade Amorim disse:

      Menina nem é por causa da série. Neil Gaiman é SUPER famoso a muito tempo! Conhece Coraline, já viu o filme? É dele! Sabe aquela série de quadrinho, uma das mais famosas do mundo chamado Sandman? É dele! Ele tem muitas adaptações e etc, só que as editoras daqui começaram a dar atenção para os livros dele, principalmente relançando, nos últimos anos. E aí por alguma razão booom de vendas, ai eles tão publicando tudo que é do autor. Eu comecei a ler ele, só conhecia os quadrinhos, esse ano e estou amando! ♥

  6. Nunca li este livro, mas já li ‘o oceano no fim do caminho” e fiquei tipo WTF ?? haha. Fiquei curiosa para assistir a série.
    Charme-se

  7. Mari Dahrug disse:

    Que legal, ainda não assisti,mas fiquei com vontade. Legal que o autor faz parte da produção, acho que assim, a chance de ser fiel é muito maior.

    Beijos
    Mari Dahrug
    https://www.rabiskos.com.br/

    • Jade Amorim disse:

      Mari, por escolha do próprio autor a história não vai ser fiel, e sabe o que eu to achando? To achando ótimo! Já vai assistir pronta para desvincular livro de série! haha

  8. Neil Gaiman é um dos meus autores favoritos e fiquei mega feliz quando a adaptação finalmente lançou. Apesar de ser bem fresca em relação a sangue e insetos, estou adorando a série. A parte visual está incrível e os diálogos também. Creio que não vai agradar muitas pessoas, principalmente aquelas que não conhecem o autor. Adorei o Mad Sweeney, também está bem fiel ao que eu imaginei, mas nunca pensei no Shadow negro, apesar de combinar bastante na série. Pelo que eu li, mudaram a forma do Technical Boy de propósito. Como o livro foi lançado a mais de 10 anos, a tecnologia mudou bastante nesse meio tempo, os jovens que consomem é bem diferente e por isso colocaram um garoto magro e mais novo. Assim como mudaram a maneira que Shadow encontra ele. Achei legal essa preocupação em deixar adequado ao mundo que estamos agora.

    Beijos, Gabi,
    http://www.reinodaloucura,com

    • Jade Amorim disse:

      Menina, a série já saiu completamente do que é contato no livro, né? Mas estou adorando e acompanhando semanalmente. Sobre o Shadow, bom, o nome dele era Shadow não era atoa… hahaha. Ele sempre foi dado como negro (descobrimos mestiço ali no final do livro), principalmente pelas vezes que falou da cor negra da pele da mãe dele. Sobre o Technical boy, eu também entendi a mudança quando li sobre, Neil Gaiman está fazendo um trabalho incrível!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *