Raposa Crítica
Freebie Banco de Ideias
Resenhas Literárias
GUIAS TERA ONLINE

O que meu peso tem a ver com seu machismo?

Imagem por Imageback.

Esse é um post que eu quero fazer há muito tempo, desde que voltei a blogar. Mas nunca senti que tive o espaço – sequer aqui, olha só que coisa -, para expor uma série de fatos, pessoas e comportamentos que (per)seguem a minha vida.

O negócio é que eu quis postar hoje, e nada do que eu já tinha na cabeça me satisfez. Eu queria postar algum textinho motivacional legal, uma historinha, mas as ideias andam bem embaralhadas aqui na minha cabeça.

Antes de começar – porque esse vai ser um daqueles meus posts quilométricos -, já vou avisar que nos comentários não aceitarei sarcasmo, preconceito, machismo ou ofensa de qualquer nível. Discurso do ódio aqui, nem pensar. Não sou obrigada, nem você. A porta da rua sempre será a serventia da casa.

O negócio é o seguinte: eu tenho um sério problema com meu corpo. E um outro muito maior com minha auto estima. E a culpa é toda sua.

Calma, vou explicar por quê.

Pra início de conversa, vocês precisam saber como eu sou. Tenho muito peito, pernas grossas e quadril largo. E no momento eu engordei um bocado, porque inconscientemente, eu estava de saco cheio de ser assediada na rua.

E isso não é de hoje.

Tenho vinte anos, e sofro bullying desde que me conheço por gente. Quando entrei na puberdade e comecei a desenvolver meu corpo, o bullying acabou tenho um certo direcionamento para certos apelidos: buzina de caminhão, vaca leiteira e uma outra série de palavras que me envergonham muito lembrar.

Sempre fui insegura, tenho uma péssima postura, problema de coluna. No colégio sempre passei ridículo, eles gritavam, me zoavam, inclusive na rua. Várias vezes voltei pra casa chorando.

O discurso de qualquer adulto era sempre o mesmo: Ignora que uma hora eles param. 

Mas o assédio não se limitava apenas ao colégio. Como vim de cidade pequena, costumava ir para as aulas de bicicleta ou a pé. Sempre sozinha.

Eram buzinas, assovios. Às vezes alguém me abordava, queria saber meu nome, quantos anos eu tinha, ficava andando do meu lado por muito tempo.

Eu nunca fui magra, ou gostosona. Desde criança sou meio redonda, engordo muito fácil e é um sacrifício pra conseguir emagrecer. Mas fazia academia diariamente, porque eu era uma garota e garotas tem que ser magras, bonitas e vaidosas.

Os namoradinhos da minha adolescência não se importavam muito com a minha inteligência, ou nerdice. Eu me sentia um objeto.

Depois que me mudei para fazer a faculdade, vim pra capital e passei a morar sozinha, as coisas pioraram.

Por favor, me expliquem, morar numa cidade grande influencia no nível de educação das pessoas?

Graça a uma série de problemas emocionais que me fizeram perder muito peso, por alguns meses eu estive nos "padrões de beleza da sociedade". Precisei ficar doente para isso.

E vou te contar, é o inferno.

Vocês que assoviam, batem palmas, gritam ou qualquer outra coisa, eu espero que vocês morram sozinhos. Já jogaram moto em cima de mim para tentar passar a mão na minha bunda, já me ofereceram carona diversas vezes.

Alguns são mais comedidos, outros não tem respeito nenhum.

E a vontade era de revidar, mas cresci ouvindo "Não revida, por enquanto estão só falando, vai que ficam agressivos". Eu cresci com esse discurso do medo. Porque eu não sei você, mas eu tenho medo de andar na rua. Por enquanto eles tiram minha roupa com os olhos, e quando quiserem tirar de verdade, não é? Não é como se eu conseguisse me defender.

E para piorar, por algum tempo, eu tive que me esquivar de alguns corredores da faculdade. A UFMS é velha, vive em obras. E um dos pedreiros sismou comigo. Ele tava ali, em cima do meu bloco, com mais três caras consertando a laje.

Primeiro ele ficou me encarando, o que por si só é bem invasivo. Depois começou a assoviar, falar as coisas. Comecei a dar a volta no bloco, para evitar passar por determinados corredores. Quando me queixei para as minhas amigas, escutei coisas como "E você acha que é a única que passa por isso? Larga de frescura, é só ignorar" e "Você está reclamando por ser bonita? Sério?".

Quando usei a página da faculdade para denunciar, vieram com "Nossa, desculpa aí gostosona".

E sabe o que era pior? A maior parte das ofensas vinham de mulheres. E, a meu ver, não tem criatura mais machista do que uma mulher.

Eu contei isso pro meu namorado na época, e ouvi coisas de "ah, fique feliz, significa que você é bonita!". NOSSA CARA, OBRIGADA, EU REALMENTE PRECISO DO ASSÉDIO DO PEDREIRO E DE DESCONHECIDOS NA RUA PARA ME ACHAR BONITA. Obrigada por me defender, namorado, você é uma pessoa incrível, me sinto muito protegida com você.

Vai tomar no meio do seu cu.

Nessa nossa sociedade em que o ditado ruim com ele, mas pior sem ele reina, eu só conheci um jeito de me proteger: relaxei. Parei de fazer exercícios, parei de controlar alimentação. Esse ano, ganhei 15kg. Não consigo me olhar no espelho, às vezes deixo de sair de casa e tenho crises de choro por estar desse jeito.

Claro que esse não foi o único fator, mas influenciou bastante. Hoje eu me arrependo. Me sinto horrível, minhas roupas não me servem. Mas é muito mais difícil pra mim emagrecer do que engordar, e será um longo processo doloroso.

Mas eu gosto de não chamar a atenção na rua. Essa foi a única paz que eu tive por estar assim.

Porque você pode achar que estou sendo hipócrita o quanto você quiser, pode achar que esses "elogios" fazem bem pro ego, pode achar que eu deveria AGRADECER por ser bonita.

Mas eu tenho medo. Eu tenho vergonha. Eu me sinto invadida. Violada. Agredida.

Porque é isso que é, agressão.

Se você é homem e está lendo esse texto, e passar na rua e achar uma garota bonita, não assovie, grite ou qualquer merda assim. Você não está elogiando ela, você está intimidando ela. E não importa se ela está de saia, short, decote, ou tá vestida que nem uma freira, você não tem o direito.

Você nunca vai ter o direito.

Porque é por sua culpa que evitamos andar sozinhas à noite e quando não temos escolha, andamos rápido, olhando pros lados e morrendo de medo.

E se você é mulher, é por sua culpa, por causa desse seu machismo, que somos educadas desde pequena a nos calar diante da falta de respeito, que devemos agradecer porque quando ouvimos essas coisas é porque alcançamos a beleza que todos acham que devemos alcançar.

É por sua culpa que eu tive que me controlar neste texto para não me censurar, e ainda estou considerando fortemente, a apagá-lo.

Afinal, eu tenho plena consciência de como me expus. Eu sei que quem me conhece, vai vestir a carapuça, e eu quero que vista mesmo. Porque eu estou deixando escrito aqui, para qualquer pessoa ler, que eu não vou aceitar o seu machismo. Homem ou mulher. Foda-se.

Eu não vou aceitar mais o que eu fiz comigo mesma por medo. Eu não vou aceitar mais ouvir qualquer comentário do tipo que eu destaquei nesse texto. Eu não vou aceitar ter de escolher entre me sentir bem comigo mesma e ter medo, ou me sentir protegida e feia.

E não é pela ditadura de beleza, é pela minha paz interior. É pela minha saúde.

E se você não concorda, se você acha que isso é baboseira, não devia sequer ter chego a esse ponto desse texto. Você não é bem vindo aqui.

Quando amar se tornou uma maldição
[ AUTOESTIMA ] Você já se elogiou hoje?
BEDA: Impressões finais e porquê não valeu a pena

Receba as novidades:

24 comentários
  • Rodrigo

    Venho acompanhando o blog faz algum tempo, gosto de ler coisas sobre séries e jogos principalmente mas esse tema me chamou atenção pelo título, também estou acima do peso ( por conta de uma depressao sinistra que até hoje deixa alguns vestígios na minha auto estima)
    Quando comecei a ler fiquei surpreso, vejo isso quase todo dia na faculdade, vejo os caras de engenharia sempre falando " se soubesse que arquitetura tinha tanta mulher gostosa eu também faria, você faz por isso né?" É sempre falo " não, só gosto de desenhar mesmo", no shopping sempre vejo homens adultos falando gracinha para garotas de no máximo 17 anos e a maioria se joga e da força pra esse comportamento, algumas amigas da faculdade ( parte esmagadora do curso é mulher ) que vão para casa pelo mesmo caminho que eu tem que me esperar pois no caminho fica cheio de feirantes arrumando as coisas no final da noite soltando gracinhas de muito mau gosto, mesmo eu estando junto.
    Te conheço a anos, mesmo tendo perdido um pouco o contato te conheço um pouco, se for a mesma garota de alguns anos atrás, apoio totalmente essa postagem, sinceramente acho que não deveria apagar é sempre que sentir vontade de escrever algo do tipo escreve mesmo sem medo, essas pessoas não tem medo e nem vergonha na cara na hora de jogar piadas então você também não deveria na hora de se expor e criticar um comportamento desses imbecis.

    Geralmente não gosto de combater em blogs ou coisas polêmicas mas esse realmente chamou minha atenção por ser algo que vejo todo dia acontecer.

    Ps: as pessoas na cidade grande são retardadas sim, dentro de trem e metrô principalmente tanto que têm horários de vagão só para mulheres usarem nos horários de pico.

    Responder
  • Anne

    Eis um texto corajoso. Parabéns por ele!
    Toda mulher tem seu relato sobre cantadas agressivas, evitar roupas curtas quando sai sozinha, mudar de trajeto pra evitar certos lugares, se esconder pra tentar se proteger de alguma forma. Até quando?
    Acho tão cansativo a gente ter que ficar repetindo que cantada não é elogio. E ainda mais cansativo que tantas pessoas não entendam isso!
    Você é linda, corajosa e inteligente. Não deixe que a grosseria dos outros continue restringindo sua vida!
    Beijo

    Responder
  • Zombie Girl

    Falou tudo. Eu mesma, eu sou muito nova e eu passo na rua e acontece a mesma coisa.

    Eu estava na aula e um barbado desgraçado passou e tirou foto da minha bunda, aí meus amigos e amigas viram e me falaram, eu reclamei pra coordenadora e sei lá que fim levou aquele guri, não tinha só foto minha como um vídeo com TODAS as bundas das meninas da minha sala, falei pra minha mãe e ela falou exatamente assim: Filha, tu tem que entender que agora tu é uma mocinha. Eu disse que eu tava de calça, como se isso desse o direito daquele guri fazer aquilo e ela disse que mesmo assim, eu tinha que me cuidar.

    Outro dia eu fui buscar a minha amiga no colégio dela que fica uma quadra do meu e eu passei na frente de um grupo de jovens e um deles começou a falar pra mim: Fulando Fernandes, me adiciona no Facebook. Me virei, olhei com cara de nojo e meti o dedo do meio pra ele, minha amiga riu e eu ri, por mais que não tenha visto graça alguma naquilo.

    Quando eu, e duas amigas saímos uma vez na rua, demos várias voltas e tinha 5 guris na rua e eles andavam em fila, uma delas deu a volta neles descendo da calçada e a outra foi pra trás de mim. Eu continuei andando e tentei desviar pra passar e o guri me trancou e me encoxou, ai eu gritei um palavrão pra ele e empurrei ele, mas quando ele veio pra mim ele tava sorrindo de um jeito muito estranho, um sorriso muito malicioso, me deu raiva.

    E quando eu fui visitar minhas primas numa cidade, uns guris mais velhos me viram e no outro dia eu fiquei sabendo pelo meu melhor amigo que era colega deles, que eles tinham feito uma tabela e comentado sobre ela e o meu corpo a aula toda. Na tabela, tinha dias pros guris ficarem comigo, e comentaram que iam ficar comigo, como assim? Ninguém com juízo faz uma tabela e diz que vai ficar com uma guria sem que ela diga que vai ficar contigo ¬¬ Só o meu amigo mesmo pra me defender ¬¬

    Uma vez eu estava na praia andando com o meu cachorro e um homem parou o carro e perguntou se a gente queria pegar uma carona e tomar uma cervejinha. Minha prima ficou com medo e não respondeu, eu disse que não e ele insistiu, aí eu falei que não mais alto e me virei e continuei a andar.

    Enfim, tipo…tudo isso que já aconteceu comigo eu não queria que tivesse acontecido. Tudo isso aconteceu até os meus 12 anos de vida, e aconteceu por causa do machismo, assoviar e chamar de gostosa, não é bonito cara. Se você quer falar pra uma guria isso, seja educado por favor. Oi, tudo bem? E o resto tu inventa, por que com a falta de respeito que é assoviar, tu nunca vai ficar com ninguém. Já ouviu a música All About That Bass? Foi uma coincidência eu ter visto seu post, por que se encaixou com ela e eu vou fazer um post com ela também. Desculpe pelo tamanho do coment, é que eu nunca falei sobre isso com ninguém…

    Zombies Vegetarianos

    Responder
  • Isabele Farias

    Lindo texto. Tenho percebido o aumento dessa "frustração" com a sociedade machista -com as mulheres machistas principalmente- desde que entrei na universidade. Não se é por que percebi que as coisas pequena não são tão pequenas assim ou por que ainda me indigno quando vejo que em um ambiente de repasse de conhecimentos existe tanta gente ignorante.
    Sou feminista e sofro por isso. Por que ninguém parece conformado com a ideia de uma mulher que quer ser respeitada como tal, com todas as suas peculiaridades. Soa tão louco isso.

    isabelefarias.blogspot.com.br

    Responder
  • DMulheres

    Nossa, que coragem! Parabéns para vc que teve a enorme coragem de se expor desse jeito. Nunca imaginei a situação por esse ângulo, pelo seu ponto de vista. As mulheres são muito machistas mesmo.
    Foco e fé para caminhar !
    Bjos,
    http://blogdmulheres.blogspot.com.br/

    Responder
  • Vanguedes

    Eu não conseguiria comentar nada que tivesse a exata profundidade que este texto me causou. Adorei cada linha dele e odiei cada vez que li você se sentiu invadida.

    Desculpe as poucas palavras. Seu blog é incrível.

    Responder
  • Chii

    Olha, esse texto é simplesmente incrível! Você conseguiu expressar exatamente como eu me sinto: violada, com medo, e com raiva da minha própria pessoa por não conseguir reunir forças pra revidar contra essa sociedade machista.
    Um dia eu ainda quero ter essa coragem de expor tudo o que eu sinto em um texto como esse…

    http://www.ohmyfeels.com

    Responder
  • Paula Januzzi

    Eu costumava a agir dessa forma antigamente: "não ligar". Achava que muitos caras não eram nada além de retardados; idiotas, mas muitas vezes inofensivos… Com o passar do tempo eu comecei a mudar hábitos sem perceber. Por conta desse tipo de situação, passei a andar com fones de ouvido com músicas muito altas pra não escutar o que falassem de mim,mudar trajetos, atravessar a rua sem necessidade, evitar certas roupas (mesmo que não surta efeito) e me dei conta de que eu ando mais apreensiva na rua… Sinto vergonha por algo que eu nem ao menos fiz e ainda tenho que não ligar?? Os caras podem falar o que quiserem pra mim na rua, me tocar e me desrespeitar (não só a mim mas também qualquer pessoa que esteja comigo, seja pai, mãe ou namorado) e eu vou simplesmente não ligar?
    Belo post, você descreveu tudo o que muitas de nós sentimos!!!

    Responder
  • Fábio Alves

    Sempre me pergunto se esses caras já conseguiram "pegar" alguma mulher com esses assobios e cantadas vulgares! Algumas são constrangedoras até pra qm tá vendo…

    Ah, uma dica: já pensou em fazer alguma arte marcial? Q tal o Muay Thai?!? Vai te ajudar na forma física e a se sentir mais segura. 😉

    Responder
  • Bete Ovando

    Imagino pelo o que vc está passando, tbm sou muito tímida evito sair justamente para não ter que ficar ouvindo certos tipos de cantadas de gente desocupadas, que querem se aparecer, ir até a esquina para mim as vezes é um sacrifício, só de pensar que vão fik olhando para mim como um bicho estranho. Tbm estou numa crise de identidade, as vezes bate aquela tristeza e junto vem um mal humor q ñ podem falar um a q eu ja lasco o alfabeto inteiro de nervoso..rsrs Mas é preciso sair da bolha q nós mesmas criamos a nossa volta, infelizmente esses tipinho existem, difícil ou não temo q saber lhe dar com algumas situações.
    Desabafar é bom da um alivio no peito, espero que vc consiga buscar sua paz e interior e alcance seus objetivos, sem ter que se preocupar com q os outros vão dizer. Força Jade, precisando estamos ai, bjs!!

    Cantinho da Bete
    Instagram
    Facebook
    Canal You Tube
    Grupo:Vamos Comentar?

    Responder
  • Anônimo

    Oi Jade, parabéns pela coragem, sinceridade e pelo texto.
    Você expôs muitos e muitos pontos que me tocam. Principalmente, pela parte do padrão de beleza, pessoalmente eu já passei pelo processo de bullying por ser gordinha e pelo cabelo cacheado…. engordei, emagreci, fiz terapia… e estou num processo de tentar emagrecer novamente! É muito difícil conseguir nossa paz interior quando o mundo inteiro fica buzinando no nosso ouvido o que deveríamos ser…
    eu estou cansada de tentar me enquadrar no que os outros querem…
    admiro muito sua postura, pode ter certeza que você se tornou um exemplo para mim!
    que você continue sendo abençoada e que sua luta seja vencida!
    Meus sincero agradecimento, Isabella

    Responder
  • Pïnk Yurï

    Oi Jade, sabe eu sinto muito ódio quando leio coisas desse tipo, a que ponto o ser humano chegou? Eu naonão entendo como algumas pessoas podem considerar essas "cantadas" algo normal e legal, não é legal!
    Eu tenho medo de sair na rua, eu não gosto de andar sozinha, eu me sinto mal quando estou de short (que por sinal é a roupa que mais gosto), hoje eu só me sinto protegida ao lado do meu namorado, sinto nojo de mim quando tenho que escutar algo desse tipo na rua, me sinto da mesma maneira que tu, mas o que talvez me faça mais forte é minha autoconfiança…
    Acho que seria intereszaninteressante que você praticasse alguma luta e tomasse uma aparecia mais agressiva, essa foi a única maneira que achei pra suportar tudo isso…
    Força, e vamos lutar para um mundo melhor, sempre, um mundo sem machistas…
    Te desejo muita felicidade e força!!! Nos lutamos por todas!

    Responder
  • Camilla

    :/ Ter que fazer cara de bixo desde o dia que resolveram passar a mão no meio das minhas pernas… Eu tinha 13 anos. E as pessoas dizem que não é nada.

    E conselho: larga esses "amigos" e esse "namorado". Provavelmente vai fazer bem.

    Responder
  • Jane C.

    Oi,Jade!
    Me identifiquei com muito do que você falou, não por causa do peso (sempre fui gorda mesmo), mas porque muitas vezes deixo de pôr certos tipos de roupa por medo de "atrair atenção" de certos tipos. Por mais que eu saiba que a roupa não é a culpada pela babaquice alheia, muitas vezes deixo de usar um vestido num dia quente, por exemplo, porque sei que eles ressaltam meus (enormes) seios. E saias,por exemplo, não uso. A única que tenho está há tempos sem ser usada. Medo de um vento inesperado. Medo de ela prender na bolsa e eu não notar, e alguém achar que é um convite. Até mesmo as roupas que uso pra caminhar de vez em quando me geram profunda insegurança: tá justa? tá indecente? Sei que não tem nada errado com minha roupa,que se eu ouvir babaquice,a menos culpada em tudo sou eu. Aliás, se for levar em conta este padrão babaca de roupa decente x roupa indecente, eu nunca deveria ter ouvido uma cantada. Sou uma prova de que a roupa não nos defende de nada. Usar um vestido até abaixo dos joelhos, com uma blusinha por baixo pra cobrir o decote, não me impediu de ser constrangida com um sonoro "gordinha gostosa" às sete da manhã, em um ponto de ônibus lotado.
    Sei que não foi culpa minha, e nunca será, mas é difícil vencer estes pensamentos… é uma luta diária… Mas enfim: você não está só.
    Ps.:Só queria comentar,sobre as mulheres serem machistas: realmente, é difícil compreender e lidar com isso, mas pensa bem: como somos educadas? Para sermos educadas e taxarmos as outras de periguetes que não se dão o respeito. Pra enfiar a mão na cara da que dá em cima do nosso namorado, mas não cobrarmos dele o respeito pelo relacionamento. Somos criadas para sermos inimigas umas das outras. Muitas de nós somos machistas porque somos criadas para sermos assim, e não percebemos que somos vítimas umas das outras. Somos algozes e vítimas ao mesmo tempo. Temos que ter um pouco de paciência, e tentar desconstruir este machismo, porque ele atinge a todas nós da mesma forma-só que algumas ainda não percebem isto.

    Responder
  • Ana Gabriela

    O post foi muito corajoso! E eu amei o seu banner, acho legal quando tem coisas diferentes <3
    http://www.belapsicose.blogspot.com

    Responder
  • Bianca Pereira

    Jade, seu texto me fez lembrar o quanto eu sou impotente, o quanto sou reprimida e sufoca pelas mesmas atitudes que você citou. Eu não tenho coragem, força e determinação pra revidar qualquer comentário e atitude do gênero, minha postura sempre foi abaixar a cabeça e me encolher, torcendo pra ficar invisível. Assim como a gente conversou um dia no Twitter, um dos meus maiores medos é andar em transporte público. Um dia um velho escroto ficou se esfregando em mim, fingindo que era o movimento do ônibus, eu quis chutar a cara dele, ou morrer, mas tudo que eu fiz foi tentar me encolher o máximo possível. Graças a Deus, tinha duas mulheres que me salvaram daquela situação. Eu me senti tão inútil. Não consegui dizer uma palavra.

    O assédio na rua também sempre foi um problema, desde jovem os homens sempre faziam questão de falar um comentário desagradável. Minha mãe me ensinou a ignorar. Nunca falei desses acontecimentos e nem como eu me sentia em relação ao assédio para minhas colegas, já não era fácil ter os outros problemas, e se eu falasse isso com certeza elas pensariam que eu estava me sentindo "a gostosa". Me arrependo de cada vez que eu fiquei calada.

    Passei mais de um ano sem me arrumar, sem passar maquiagem, engordei 10 quilos. Você deve imaginar a alegria de ninguém olhar pra você daquele jeito nojento, sem assobiar ou qualquer coisa do tipo. Eu estava muito feliz com isso e não tinha a mínima vontade de me arrumar. Até que então eu voltei a me preocupar com minha aparência. Queria (quero) me sentir bem comigo mesma. Mas cara, ao mesmo tempo eu me sinto tão errada ao gostar de usar shorts curto. Eu sei que eu deveria me vestir da maneira que eu acho confortável, mas só de pensar que os olhos vão ficar seguindo minha bunda no meio da rua… Meu Deus. Que inferno.

    Eu queria poder te ajudar, me ajudar e ajudar a todas que passam pelo mesmo tipo de situação, mas tudo que eu posso fazer por agora é dizer que eu te entendo e te admiro por sua coragem de expor tudo isso aqui.

    Responder
  • Isabella M.

    Jade, concordo com você. E não há coisa mais triste que uma mulher machista. Já tremi de medo várias vezes com isso. Nunca vi homem correndo por assédio, pegando ônibus desconhecido por assédio ou tendo que ligar aos prantos pra PELO AMOR DE DEUS alguém vir te socorrer e ouvir um '' para de drama''. Argh. É SOFRÍVEL uma sociedade que pensa e aceita que uma mulher deve viver em função da excitação do homem. Do desejo do homem e bla bla bla. Eu quero é que se foda. Isso é tão sinistro e nojento pra mim que não consigo nem conceber ou compreender um pensamento desse. Que bosta. Que bosta e que bosta.

    Temos muito caminho a percorrer com a desconstrução do machismo, do patriarcado, da mulher como posse E/OU como objeto. Muito mesmo. Já deu de sentir medo. Mas como não sentir, né? Injusto demais.

    Strawberry Fields

    Responder
  • Min

    Sou abaixo do peso, e não quero ganhar
    1° Eu não tenho NADA, os médicos mandam eu ganhar peso, mas nunca direito o pq. Meus exames dão tudo normal.
    2° Eu sei q se eu ganhar peso vou ganhar perna/busto, e eu vou me estressar MUITOOOOOOO com essas cantadas. Eu me defendo de um ser vivo q eu não conheço e fala de forma informal comigo, e eu q sou a errada?? Mas, o pior q dá medo de a pessoa ser agressiva se reagir, eu tenho noção não tenho muita força. Se a pessoa faz esse tipo de coisa, não dá para confiar.
    Sempre escuto : "Ah, vc é muito magra nenhum homem vai olhar p/ vc" e sempre fico feliz quando escuto com isso.
    Sim, tbm já escutei de mulheres q eu deveria me acostumar, e sempre começava uma super discussão. Pq EU NÃO SOU OBRIGADA a me acostumar com isso.
    A ironia é q atualmente as pessoas estão criando mais consciência psicológicas de bullying, mas a mesma pessoa q diz isso, manda uma mulher superar/viver feliz sem medo/se acostumar essas cenas.

    Responder
  • Camila

    Essas pessoas ridículas viu? Esse tipo de falta de respeito existe há muito tempo e muita gente finge que não existe. Isso que me deixa mais com raiva ainda!!!
    Eu amei sua atitude Jade, parabéns, de coração….
    Quando te conheci, gostei muito de ti. Mas apenas mais intimidade eu saberia disso tudo que voce passou e está passando. Mesmo nunca tendo passado por bullyng e coisas assim, saiba que pode me chamar no whats para qualquer coisa. Estou longe, mas muito perto!!
    Isso de ficarem mexendo com a gente na rua, nossa, é péssimo. Já passei e passo por isso, principalmente na capital mesmo…

    Um beijo *-*

    Responder
  • Isabela C. Santos

    Oi, Jade!

    Seu texto me fez pensar, ia comentar que desde que comecei a faculdade e passei a sair mais de casa por maiores períodos vinha sendo mais assediada, mas me dei conta de que iria dizer uma mentira. Basta ser menina para passar por esse tipo de assedio. Comentários que enojam, invadem, amedrontam e que alguns ainda chamam de elogio. É ridículo. E às vezes não se contentam em comentar, ainda querem passar a mão. É horrível. Mas temos voz, apesar do medo. Porque foi o medo que me fez simplesmente levantar do lugar onde o cara no ônibus que estava ao meu lado estava passando a mão em mim enquanto fingia, para o resto das pessoas, que estava dormindo. O medo me fez simplesmente levantar e mudar de lugar, no lugar de fazer um escândalo.
    Como mulher eu te entendo e me identifico com várias partes do texto e me sinto orgulhosa por você ter posto isso para fora aqui e pelo modo como fez isso, você teve a coragem que eu não tive e a sua atitude de BASTA também é minha.

    Beijos

    Responder
  • Bruna S.

    Oi Jade! Teu texto é muito verdadeiro e eu imagino o quanto deva ter sido doloroso escrevê-lo e assim, reviver tudo o que aconteceu. Teu relato é parecido com o de inúmeras garotas – é parecido com o meu. Não consigo levar a sério quem acha que esse assédio nas ruas faz bem pro ego – não faz. Não me sinto mais bonita por ter meu espaço invadido por homens gritando coisas tão escrotas que fica até feio transcrever. Quando falamos sobre esse assédio sempre ouvimos que estamos exagerando, que um elogio não faz mal… como se essas abordagens fossem algo próximo a "bom dia moça, você está linda hoje"… mas não, não é nada parecido com isso. E o social influencia muito na forma com que vemos a nós mesmas e ao nosso corpo. Eu só desejo força pra ti, que tu consiga te sentir melhor contigo mesma seja qual for o caminho que tu escolher seguir – emagrecer, engordar, tanto faz. No fim das contas tem muito mais a ver com o que sentimos no nosso interior do que com a forma do nosso corpo real, né? E não é se achar a gostosona reclamar dos assédios nas ruas. Todas as mulheres passam por isso diariamente – gordas, magras, baixinhas, altas, loiras, morenas… Pra eles não importa como seja. Importa só que seja mulher. E eu concordo plenamente com essa frase "Vocês que assoviam, batem palmas, gritam ou qualquer outra coisa, eu espero que vocês morram sozinhos" – desejo o mesmo.
    Força pra ti, moça.

    Responder
  • André Luiz

    Sempre me olharam como se eu fosse um ET quando eu dizia que não existe ser humano mais machista do que as próprias mulheres…
    Imagino que por ser mulher e levando em consideração o fator psicológico completamente diferente de nós homens, isso deve ser exponencialmente bem pior para vcs, essa insegurança em relação ao próprio corpo e a própria beleza. Já pesei 180kg e posso imaginar todas as merdas que se passam na sua cabeça e tbm sei o quanto é insuportável todo aquele blá blá blá de "o que importa é a beleza interior" e "a pessoa tem que gostar de vc do jeito que vc é". Na grande maioria das vezes vindo de pessoas que não sabem como é se sentir como nos sentimos.
    Mas justamente por ter certa noção do que vc passou e passa posso afirmar que existem dois desses cliches que todos dizem que cabem bem aqui: "antes de mais nada vc precisa saber o que quer" e " no pain, no gain"
    Quanto a questão dos idiotas que mechem com vc na rua, eu realmente sinto vergonha alheia e como homem peço desculpas por nós homens (mesmo que eu não seja um desses idiotas), sinceramente vejo como infantilidades em alguns poucos casos, apenas alguem querendo aparecer pros amigos, ou grandes PERDEDORES na maioria das vezes, visto que nunca vi alguma mulher na rua receber bem esse tipo de cantanda e te dar o telefone depois de uma delas.
    Parabéns pela coragem do desabafo, ótimo texto.

    Responder
  • Magall

    é por causa de coisas assim q acontecem com as mulheres q acabei me livrando aos poucos de habitos q eu praticava e echava a coisa mais natural do mundo

    Responder
  • Ariana Coimbra

    Eita Jade! "E, a meu ver, não tem criatura mais machista do que uma mulher."
    Concordo principalmente com essa parte, a maioria que me rodeia é mais machista que muito homem.
    Tenho nojo apenas.
    Espero que você encontre a sua paz interior rapidamente. Quanto aos machistas de plantão: banana pra eles.

    Responder

Receba as novidades: