Resenha – A chama dentro de nós, Brittainy C. Cherry

Faz tempo que me afastei da leitura de histórias de romances, mas é um dos gêneros que mais li até hoje. Minha autora favorita durante a adolescência, junto com o Zafón, era Meg Cabot. Não nego que um romance água com açúcar é uma boa pedida para relaxar entre uma leitura mais densa e outra. Foi com esse pensamento que optei por pegar o livro A chama dentro de nós, da autora Brittainy C. Cherry, lançado pelo Grupo Editorial Record no selo da Galera Record.

Já tinha ouvido falar da autora por ter visto muitas fotos de seu outro título, O ar que ele respira, no instagram. Sempre recheado de elogios, mantive em mente que leria algo dela quando tivesse a oportunidade.

Sinceramente? Que decepção.

É sério. E eu fiquei super chateada com a ideia de que a minha primeira resenha para a Record fosse uma crítica negativa. Mas é isso aí galera, não dá.

Sabe porquê?

Porque essa história é um grande amontoado de frases de efeito e situações clichês aleatórias misturadas. Não tem ritmo. Não tem emoção. É simplesmente artificial demais. Não consegui em momento algum me conectar com qualquer personagem.

A chama dentro de nós é um romance de 350 páginas em que 160 páginas são só para cobrir o que está escrito na sinopse do livro. Acompanhamos a história de Alyssa e Logan, duas pessoas de universos completamente diferentes, mas que por algum motivo acabam tendo muito em comum e se tornam melhores amigos. Assim, melhores amigos mesmo, a autora escreve eles se chamando de melhores amigos ou pensando “nossa somos melhores amigos” umas cinquenta vezes (é sério).

A amizade logo se desenvolvem para algo mais, com declarações de amor que você não vê nem em filme de romance. Enquanto vemos isso acontecer, há vários outros cenários sendo abordados: drogas, violência familiar, álcool, câncer… Tudo isso para que quando uma grande tragédia acontece, ele vai embora.

Ele ama ela, ele quer ficar com ela, ela está super disposta a passar pelas dificuldades com ele, mas ele vê o fato de ele ter que se afastar por uns meses para ir embora e fugir para não se relacionar mais.

Aí você fica pensando… por quê?

Não faz sentido! Nenhum! Pois mesmo que tenha acontecido várias coisas ruins, tendo uma narração em primeira pessoa ele nem em pensamentos demonstra algo consistente para essa opinião. E é algo bem nítido que nossos personagens não sabem o que querem, mudanças bruscas de ação x pensamento te fazem até questionar se são eles que são confusos ou a autora.

Há um trecho, um pouco mais pro final do livro em que Logan narra uma coisa para que, literalmente no parágrafo seguinte, ele esteja falando algo completamente oposto, onde o que ele pensava e o que ele agia não se conectavam de maneira alguma, fazendo parecer até que são dois personagens diferentes.

Apesar de a autora abordar uma quantidade absurda de temas e dramas, a história acontece de uma forma tão superficial que tudo é resolvido nas últimas trinta páginas. Eu achei o final tão corrido e cheio de pulos de tempo que me peguei imaginando se o prazo para a entrega do livro tinha acabado ou ela tinha cansado mesmo de desenvolver as cenas.

Dei de ombros.
Ela deu de ombros.
Eu ri.
Ela riu.
Entreabri meu lábios.
Ela entreabriu os lábios.
Eu me inclinei na direção dela.
Ela se inclinou na minha direção.

Acredito que não tenha prova mais concreta da superficialidade narrativa de A chama dentro de nós do que exatamente essa quote acima. Apesar de eu sempre ter considerado esse artifício de narração onde se espelha as ações dos personagens gracioso, ele é repetido com tamanha frequência que chega uma hora que você simplesmente não aguenta mais.

Não é uma, nem duas, nem dez… é mais de trinta, talvez mais de cinquenta. Eu devia ter contado.

Contudo, nem tudo é tragédia. A chama dentro de nós é uma fórmula pronta que pode agradar a maioria dos fãs de romance. É leve, recheado de declarações melosas e dramas. A leitura é bastante rápida e ótimo para carregar dentro da bolsa e ler na correria do dia a dia.

Eu que não sou fã de capas com fotografia, acho a capa deste romance muito bonita. A diagramação é bastante confortável para a leitura. Há alguns trechos em que as letras estão um pouco manchadas, mas deve ser do lote que me foi enviado.

Acredito que A chama dentro de nós não foi um livro feito “para mim”. Porém se você busca relaxar e ler umas cenas mais picantes, é uma boa pedida.


Nome: A chama dentro de nós
Autor: Brittainy C. Cherry
Editora: Galera Record
Goodreads | Skoob

Sinopse: Logan Silverstone e Alyssa Walters não têm nada em comum. Ele passa os dias contando centavos para pagar o aluguel, sofrendo com a rejeição dos pais e tentando encontrar um rumo para sua vida caótica. Ela, por outro lado, parece ter um futuro brilhante pela frente. Um dia, porém, um simples gesto dá origem a uma improvável amizade. Ao longo dos anos, o sentimento que os une se transforma em algo até então desconhecido para os dois. Alyssa e Logan não conseguem resistir à atração que sempre sentiram um pelo outro e finalmente descobrem o amor. Mas uma tragédia promete separá-los para sempre. Ou pelo menos é isso que eles pensam. Seriam as reviravoltas do destino e as feridas do coração capazes de apagar para sempre a chama que há dentro deles.

Related Posts

10 Discussion to this post

  1. Mari disse:

    Gente, sério esse quote? Realmente não dá pra aceitar algo assim. Eu gosto muito de romances, mas existem alguns que eu fico me perguntando como que conseguiu ser publicado…
    Beijos
    Mari
    http://www.pequenosretalhos.com

    • Jade Amorim disse:

      Sim, é sério essa quote. E isso acontece pelo menos uma vez por interação dos dois personagens. Fiquei muito chateada de ter tido essa leitura e me decepcionado tanto. 🙁

  2. Eu li Sr. Daniels da mesma autora e eu gostei muito. Lembro que eu conheci a autora em um mochilão da record e ela é um amor de pessoa, super fofa e tudo mais então eu quis comprar o livro para ver como era. Foi bem legal mas ainda sim com algumas situações que não fazem sentido. Mas esse parece ser muito rim, HAHAHAHA.

    • Jade Amorim disse:

      Então, Bea, eu só ouvia falar maravilhas, aí quando eu li eu tava com aquela expectativa porque todo mundo falando de O ar que ele respira e Sr. Daniels… fiquei TÃO decepcionada. :/

  3. Nath disse:

    Parece ser bem chatinho. Eu tenho dificuldade com romances assim pq é tudo tão superficial.
    Eu também amava Meg Cabot hahaha Hoje não consigo ler nada dos livros dela. Não são mais pra mim, mas eu amava!!

    Beijos!

    • Jade Amorim disse:

      Eu gosto de romances, mas romance bem feito, exatamente porque a chance de cair no clichê é enorme.Sobre a Meg, faz anos que não tento ler nada dela, fico curiosa. xD

  4. Achei ótima suas colocações. Nem sempre um livro elogiado por tantos agrada nossa leitura. Parabéns pela crítica.

  5. Dai Castro disse:

    Que quote foi essa meu Deus 🙁
    Parece uma narrativa bem mas bem superficial mesmo! Eu já não curto muito romancinhos água com açúcar, esse eu pretendo passar longe, porque simplesmente não desce hehe
    Beijos!
    Colorindo Nuvens

    • Jade Amorim disse:

      Dai, eu fiquei super decepcionada com a leitura, mesmo. E mais ainda porque era o primeiro livro recebido da parceria, queria poder ter dito algo incrível sobre ele. Mãããs… não deu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *