Raposa Crítica
Sorteio Harry potter 20 anos especial grifinória
FREEBIES
Guias TERA Online

A ficção de 'As Primeiras Quinze Vidas de Harry August'

Acho que estou lendo livros demais sobre o fim do mundo. Enquanto estou aqui me preparando para escrever sobre As Primeiras Quinze Vidas de Harry August, estou atualmente com a leitura de Belas Maldições, livro novo do Gaiman.

Mas o importante é falar sobre o primeiro, que consigo resumir apenas em um livro inteligente demais para ser lido depressa.

Enquanto eu estava em uma onda de livros que me enchiam de euforia e me fazia devorá-los em poucas horas, As Primeiras Quinze Vidas de Harry August foi um mergulho lento, constante e reflexivo.

Tudo começa na décima primeira vida de Harry August. Ou melhor, no seu leito de morte. Uma jovenzinha chega e lhe avisa que o mundo está acabando, e que está cada vez mais rápido. Ela veio do futuro, e a mensagem de um futuro muito além do futuro dela.

O que acontece é que no universo desse livro, apesar de nosso personagem ser imortal, ele é imortal vivendo incontavelmente a mesma vida, no mesmo período de tempo. Ele nasce do mesmo jeito, cresce no mesmo lugar e morre geralmente pela mesma razão. O que importa é o que ele faz durante esse período de vida, e que ele sempre se lembra de tudo que aconteceu nas vidas anteriores.

Tudo isso quando nós morrermos, vai deixar de existir. Não terá existido. Pessoas queridas que vimos morrer vão nascer outra vez, e nós vamos lembrar que os amamos, mas eles não vão nos conhecer, e nada disso vai ter importância. Nem os homens que viveram e nem os que morreram. Somente suas ideias e lembranças.

Ele não é o único. Na verdade, a proporção é de mais ou menos um para cada 500 mil. Em vários períodos do tempos. E eles conversam do passado para o futuro cravando mensagens em pedras para serem encontradas, ou trazendo a mensagem dos velhos para os mais novos quando é do futuro para o passado, em um clube organizado chamado Clube Cronus.

A principal regra é: não mude a ordem cronológica das coisas. Você pode ter o maior conhecimento do mundo, mas não invente novas tecnologias. Não avance o desenvolvimento da humanidade. Não interfira. Geralmente a sua interferência gera um fim do mundo precoce. Gerações deixam de nascer. Lineares (como as pessoas que não tem esse poder são chamadas) sofrem.

E o problema é que tem alguém interferindo, de maneira quase imperceptível.

E Harry precisa descobrir quem é.

Eu sou uma pessoa que presta muita atenção em narrativa de ficção. Acredito que é um dos estilos de narrativa mais difíceis de se escrever, pois tudo precisa ter uma explicação.

E em As Primeiras Quinze Vidas de Harry August, é tudo tão bem amarrado que às vezes você até acha que está bem explicado demais.  Claire não deixa qualquer ponta solta.

E ela te narra 15 vidas inteiras do nosso protagonista. Eu acho isso louvável.

Apesar de não ser uma leitura eletrizante,  As Primeiras Quinze Vidas de Harry August é um livro incrível para quem gosta de histórias bem amarradas e inteligentíssimas. Você tem aventura, filosofia, investigação. É com certeza uma obra de ficção completa.


Nome: As primeiras quinze vidas de Harry August
Autor: Claire North
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 447
Goodreads | Skoob

Sinopse: Certas histórias não podem ser contadas em uma única vida. Harry está no leito de morte. Outra vez. Não importa o que faça ou que decisões tome: toda vez que ele morre, volta para onde começou; uma criança com a memória de todo o conhecimento de uma vida vivida diversas vezes. Nada nunca muda… até agora. Ele está perto da décima primeira morte quando uma garotinha de 7 anos se aproxima da cama: “Quase perdi você, doutor August. Eu preciso enviar uma mensagem de volta no tempo. O mundo está acabando, como sempre. Mas o fim está chegando cada vez mais rápido. Então, agora é com você.” Este livro conta a história do que Harry faz em seguida, do que fez antes, e do que faz para tentar salvar um passado inalterável e mudar um futuro inaceitável.

Bora lá atrás dos "Rastros de Sangue"
Sorteio Harry Potter e a Pedra Filosofal 20 anos, edição especial Grifinória
[Book Haul] Fantasia e literatura brasileira em junho

4 comentários
  • Meu Deus, estou simplesmente apaixonada por esse livro depois dessa resenha. Parece ser tudo o que eu amo ler <3 vou guardar esse nome para comprar quando tiver tempo para ler. Infelizmente no momento estou com tempo zero 🙁 mas acho que vou adorar ler esse livro futuramente!

    Responder
  • Graziele Lima

    Nossa, fiquei imaginando aqui como deve ser você ter várias vidas e se lembrar de todas elas :O Imagine que desesperador você encontrar alguém que ama muito e a pessoa não lembrar de você? Ou ainda, saber que vai morrer e ter noção de como vai acontecer. Fiquei curiosa com esse livro…

    Gosto de história assim, bem amarrada, que a gente até tenta encontrar um furo mas não acha nada. Também acho louvável quando o escritor consegue criar algo complexo de maneira tão boa, hehehehe! Beijos ♥ https://eueminhaestupidez.blogspot.com.br/

    Responder
  • Lívia Santana

    Amei sua resenha, seu blog e as fotos. Me interessei pelo livro, amo narrativas futuristas, amo distopias. Acredito que tenham alguns livros bons demais para serem lido rápido mesmo. Já amei o post pela primeira frase!!

    Responder
  • Hanna Carolina

    Jade do céu, que livro é esse?! Anotado agora mesmo para eu ler também! =)
    Gostei bastante de seu texto e da sinopse do livro. Fora as mensagens que ele passa… A gente inventa tanta coisa pensando no nosso futuro confortável, quando na realidade está é cavando o fim mais próximo ainda com as consequências de nossas escolhas… Achei sensacional essa ideia!
    Bjks!

    https://mundinhodahanna.blogspot.com

    Responder

Receba as novidades: