Raposa Crítica
Freebie Banco de Ideias
Resenhas Literárias
GUIAS TERA ONLINE

Confissões do Crematório e desmistificação da morte

Sempre tive uma curiosidade mórbida em assuntos envolvendo a mortalidade, tendo até participado de uma exposição de arte cemiterial durante uma viagem turística no começo do ano em Salvador (uma das experiências mais inusitadas da minha vida), e quando me deparei com esse livro, lendo seu slogan "Um livro para quem planeja morrer um dia", foi uma decisão de compra imediata.

Aceitar a morte não quer dizer que você não vai ficar arrasado quando alguém que você ama morrer. Quer dizer que você vai ser capaz de se concentrar na sua dor, sem o peso de questões maiores como "Por que as pessoas morrem?" e "Porque isso está acontecendo comigo?". A morte não está acontecendo com você. Está acontecendo com todo mundo.

— Confissões do Crematório

O livro de não-ficção, da editora Darkside Books, nos faz acompanhar a o dia a dia do início da carreira de Caitlin Doughty na Westwind Cremation & Burial como operadora de crematório e, consequentemente, seu amadurecimento em relação à cultura da morte na sociedade e seus rituais fúnebres.

Com uma linguagem informal e um humor inteligente, Caitlin consegue nos guiar por diversos aspectos do tema: embalsamento, cremação, mortalidade infantil, negação, indigentes… Cada capítulo é recheado de uma intensidade que te fará perder o ar.

Corpos completamente cremados , cabeças doadas para a ciência, bebês e a perna amputada de uma mulher saem todos com a mesma aparência no final. Ao mexer em uma urna de restos cremados, você não tem como saber se a pessoa teve  sucessos , fracassos, netos ou crimes. "Pois você é pó, e ao pó retornarás." Como humano adulto, seu pó é igual ao meu, entre dois e três quilos de cinzas e ossos.

— Confissões do Crematório

A autora é o tipo de pessoa que eu com certeza amaria sair para tomar uma cerveja e e fazer amizade. Ela não faz o perfil emocional e aborda temas que costumam ser um grande tabu. Sem se importar com seus sentimentos, ela vai te contar um fato, e você terá que lidar com ele.
ss2016-11-09at02-42-1614721456_1095909823862709_5532690083257232726_n
E isso é sensacional. Sério. Não precisamos de mais romantismo e conto de fadas ilusórios. Não precisamos de utopias. Doughty não está aqui para te consolar, ela está aqui para te dar um tapa tão forte de realidade que você vai aprender que não faz sentido sofrer.

Essa é a versão da história que eu queria que tivesse informado minha infância. Expor uma criança pequena às realidades do amor e da morte é bem menos perigoso do que expô-la à mentira do final feliz. As crianças da era das princesas Disney cresceram com uma versão amenizada da realidade, cheia de animais falantes e de expectativas nada realistas. O mitologista Joseph Campbell nos diz sabiamente para desprezar o final feliz, "pois o mundo que conhecemos, que vimos, só oferece um final: a morte, a desintegração, o desmembramento e a crucificação do nosso coração com o fim daqueles que amamos".

— Confissões do Crematório

Não sou o tipo que se comove fácil. Quem me conhece sabe que, constantemente, a minha falta de empatia pela morte alheia é algo que incomoda. E, ainda assim, esse livro conseguiu pesar. Alguns capítulos me fizeram respirar fundo, refletir, voltar, reler.

Por mais que eu me considere uma pessoa prática, do tipo que não vê necessidade em gastar emoções em temas do gênero, Confissões do Crematório me acertou como um soco na boca do estômago. A construção social da negação da morte é tão intrínseco que, mesmo que não notemos conscientemente, ela está sempre ali.

Se corpos em decomposição desapareceram da cultura (o que realmente aconteceu), mas os mesmos corpos em decomposição são necessários para aliviar o medo da morte (e realmente são), o que acontece com a cultura em que toda a decomposição é escondida? Não precisamos criar hipóteses: nós vivemos nessa cultura. Uma cultura de negação da morte.

— Confissões do Crematório

Caitlin Doughty é formada em história – antes de começar a trabalhar como agente funerária -, e talvez exatamente por isso você há de encontrar diversos autores ao longo do texto. Inclusive, ela também menciona não só conceitos filosóficos, mitológicos e sociológicos, mas também levantamento sobre culturas antigas como uma tribo indígena brasileira que acreditava na prática do canibalismo, tibetanos, "bruxas"…

A diferença é a crença. Os Wari' acreditavam na importância da destruição total do corpo. Os tibetanos acreditam que um corpo pode alimentar outros seres depois que a alma o deixou. Os norte-americanos praticam o embalsamento, mas não acreditam nele. Não é um ritual que nos traz consolo; é uma cobrança adicional de 900 dólares na conta funerária.

— Confissões do Crematório

Curiosamente descobri que a autora é também uma youtuber conhecida pelo quadro "Ask a Mortician" (Pergunte a uma agente funerária) onde ela aborda a mortalidade de forma descontraída e natural. É bem irônico que minha primeira leitura vinda de uma youtuber fosse algo desse gênero.

Ela também é fundadora do grupo The Order of the Good Death (A ordem da boa morte), que une profissionais, acadêmicos e artistas para falar da mortalidade.

Um cadáver não precisa não precisa que você se lembre dele. Na verdade, não precisa de mais nada – fica mais do que satisfeito de ficar ali, deitado, apodrecendo. É você que precisa do cadáver. Ao olhar para o corpo, você entende que a pessoa se foi, que não é mais uma participante ativa do jogo da vida. Ao olhar para o corpo, você se vê nele e sabe que também vai morrer. O contato visual é uma chamada à autopercepção. É o começo da sabedoria.

— Confissões do Crematório

Por fim, se todas essas quotes não te convenceram (e eu juro que eu só peguei algumas das que marquei), deixo explícito aqui que Confissões do Crematório é de longe um dos melhores livros que li nos últimos anos, tanto em qualidade de conteúdo quanto qualidade gráfica. A Darkside Books tem um capricho tão grande com seus exemplares que dá vontade de ficar um bom tempo apenas admirando-o.

Acredito fundamental a leitura de Confissões do Crematório. É conhecimento, é desmistificação, é entender que a morte é a única certeza que temos na vida.

Você vai morrer. É sério. Você vai. Todos que você amam, eventualmente, vão morrer. Eu vou também. E se essa é uma realidade da qual não podemos fugir, entendê-la e aceitá-la é o melhor que podemos fazer. Caitlin Doughty sabe exatamente como te ajudar nesse processo.


Confissões do Crematório
Título da obra: Confissões do Crematório
Autoria: Caitlin Doughty
Páginas: 260
Gênero: Autobiografia
Editora: Darkside Books
ISBN: 2016
Ano de publicação: 9.78859454E+12
Onde encontrar: SkoobGoodreads
Onde comprar: AmazonSaraivaSubmarino
Sinopse: Ainda jovem, Caitlin conseguiu emprego em um crematório na Califórnia e aprendeu muito mais do que imaginava barbeando cadáveres e preparando corpos para a incineração. A exposição constante à morte mudou completamente sua forma de encarar a vida e a levou a escrever um livro diferente de tudo o que você já leu sobre o assunto.Confissões do Crematório reúne histórias reais do dia-a-dia de uma casa funerária, inúmeras curiosidades e fatos filosóficos, históricos e mitológicos. Tudo, é claro, com uma boa dose de humor. Enquanto varre as cinzas das máquinas de incineração ou explica com o que um crânio em chamas se parece, ela desmistifica a morte para si e para seus leitores.O livro de Caitlin – criadora da websérie Ask a Mortician – levanta a cortina preta que nos separa dos bastidores dos funerais e nos faz refletir sobre a vida e a morte de maneira inteligente, honesta e despretensiosa – exatamente como deve ser. Como a autora ressalta na nota que abre o livro, “a ignorância não é uma bênção, é apenas uma forma profunda de terror”.
O assassino mais WTF de 'Destroçados'!
Bullet Journal Literário: organize suas leituras em 2018!
Tony & Susan, o livro que inspirou Animais Noturnos

Receba as novidades:

26 comentários
  • Tatiane

    Eu já tinha ouvido falar nesse livro, mas nunca tinha lido uma resenha, e sério depois da sua resenha eu já quero muito ler 🙂
    Acho que ele vai me ajudar muito, sou muito medrosa com essa coisa de morte, sei que vou morrer e todos que eu amo também vão, mas não estou preparada para isso.
    A DarkSide arrasa nas edições dos livros, tenho alguns deles e são incríveis ♥
    Já vou procurar aqui pra ler em 2017.
    Você escreve muito bem e eu amei sua resenha ♥
    ótima sexta
    bjo

    Responder
    • Jade Amorim

      Oi Tati, tudo bem? Fico muito animada em saber que te inspirei a querer ler essa obra maravilhosa! Esse livro realmente expande horizontes, viu? Pode dar um pouquinho de medo de encarar um tema desses, mas acredite, você termina a leitura muito mais leve! 😉

      Responder
  • Mari

    Me parece um bom livro para reflexão, mas não é um dos meus gêneros favoritos. Mas você escreve muito beeem! Parabéns!

    Bjos https://marinspira.blogspot.com.br/

    Responder
    • Jade Amorim

      Mari, fico feliz que tenha gostado da resenha! Espero que tenha a oportunidade de lê-lo! 🙂

      Responder
  • Francine

    Eu nunca imaginei que me depararia com um livro com um tema desses. Mas sua resenha ficou incrível. Ah, e as fotos mais criativas impossível!

    Responder
    • Jade Amorim

      Fran, de fato é um livro com um tema bem fora do comum não é? Mas é incrível, tanto que elegi como a melhor leitura de 2016!
      Fico feliz que tenha gostado da resenha! 😀

      Responder
  • carol sena

    não sei muito o que pensar do livro, meio mórbido. rs
    mas me parece um bom livro pra reflexão, não sei se encaro esse leitura não ein, mas foi uma ótima resenha

    Responder
    • Jade Amorim

      Não tem nada mais natural do mundo que um livro que fale sobre morte seja mórbido, não é? Acredito que o ponto exato desse livro é questionar porque as pessoas tratam o mórbido como algo ruim, sendo que a morte é algo tão natural! Espero que mude de ideia sobre esse livro, ele é realmente incrível e muda a gente como pessoa! ♥

      Responder
  • Gislaine

    Eu já tinha muita vontade de ler esse livro, com a sua resenha quero mais ainda! Não sabia que a autora era youtuber e simplesmente adorei o vídeo que você separou. Parabéns pela postagem!

    Responder
    • Jade Amorim

      Gi, você pode ter certeza de que não vai se arrepender! A autora é maravilhosa e o livro é incrível também. Até elegi ele minha melhor leitura de 2016! hahaha ♥

      Responder
  • Malu Silva

    Nossa, o livro parece bem locão! haha mas eu A-D-O-R-O esse tipo de leitura, e me interessei ainda mais por ser uma não-ficção. Bela resenha, amei!

    sorria sempre 🙂
    http://www.malusilva.com.br

    Responder
    • Jade Amorim

      Malu, é um livro sensacional! De verdade! Eu li ele super rápido, de tão gostoso que é. Vai expandir seus horizontes, recomendo muito a leitura!

      Responder
  • Luana Souza

    Eu realmente estou curiosíssima para ler esse livro, não sobpor ser uma edição da Dark Side, mas port estar de algo que me interessa muito! Achei o trabalho da autora magnífico, porque não é todo mundo que tem coragem e de dispõe a falar sobre a morte <3
    Ah, a sua resenha está incrível. Super completa e nos deixa ainda mais curiosos 🙂

    Responder
    • Jade Amorim

      A Darkside é um arraso, né Luana? Eu sou viciadíssima nos livros deles, cada edição mais maravilhosa que a outra. De fato nem todo mundo tem coragem de enfrentar um tema como esses, imagina escrever? Mas a Kaitilyn fez isso de maneira incrível! Espero que consiga lê-lo em breve!

      Responder
  • Ane

    Esse é um livro bem inusitado. Parece ser uma leitura com algo a acrescentar, mas não é o tipo de leitura que eu curta. Gostei da maneira que você falou sobre o livro e as fotos estão incríveis.

    Responder
    • Jade Amorim

      Oi Ane! Esse de fato é um livro um pouco mais "maduro", não é ficção né? Quem gosta mais de ler romances e fantasia fica até meio assustado com uma obra dessas. É quase como estudar, de fato. XD

      Responder
  • Kelly Mathies

    Esse livro é muito louco, no bom sentido, inclusive rs. Eu não o conhecia até um tempo atrás, quando vi a editora fazendo divulgação e alguns blogs resenhando a obra. Foi estranho no começo, senti que não era pra mim, mas aí você começa a entender o contexto e o que o livro representa de fato. Atualmente ele está na minha lista. Apesar de não ter muito estômago para essas coisas (espero que não tenha nada muito explícito. Não tem né???), ando querendo conhecer a autora e sua obra melhor ♥ A morte é algo tão natural, mas tratado como um tabu. Isso é complicado.

    Responder
    • Jade Amorim

      Eu brinco falando que esse livro é meio que uma leitura "impopular". A própria autora diz que é um livro pra quem é bem mente aberta com o tema sobre a morte. Fica tranquila que não tem nada muito explícito, nenhum gore muito absurdo, e a autora é muito ótima em deixar essas tensões leves e até mesmo cômicas. 🙂

      Responder
  • Daniella

    Não conhecia esse livro, mas gostei bastante, vou procurar para ler!
    Acho legal abordar temas como esse e falar dos tabus sem medo, tem muita gente precisando abrir a mente para isso. Vou procurar também pelo canal, achei bem interessante o tema hahah

    Beijão linda,
    http://desencanamina.blogspot.com.br/

    Responder
    • Jade Amorim

      Oi Dani, pode procurar ele sem medo! É um livro que vai te dar um novo horizonte com toda certeza, viu? ♥

      Responder
  • Nicolle Por Deus

    Pesado, cara hahahha Já vi esse livro pelas prateleiras das livrarias e, como acontece com todos os exemplares da DarkSide, fiquei lá admirando a capa e outros detalhes gráficos, mas ainda não tinha uma ideia assim, tão completa, do conteúdo dele. Não sei se conseguirei ler em um futuro breve, de verdade, justamente porque esse tipo de assunto mexe horrores comigo. Mas que parece interessante, isso parece sim!

    Responder
    • Jade Amorim

      Eu amo os livros da Darkside e vou protegê-los! Tenho váaaaarios na minha estante e fico super ansiosa de sair mostrando todos pra todo mundo! hahaha O conteúdo desse livro é sensacional, mas de fato, é meio pesado para algumas pessoas menos cínicas como eu.
      Ainda assim, se surgir a oportunidade, leia sim! A autora consegue tratar do assunto de forma super descontraída e deixar o conteúdo bem mais leve, apesar do denso conteúdo. ♥

      Responder
  • Lully Souza

    Nunca tinha ouvido falar nesse livro, nesse canal, nessa pessoa, e tô me perguntando porquê. Que post maravilhoso. Adorei ter uma palinha dele, e preciso dizer que preciso desse livro na minha vida! Me identifiquei em vários pontos, e acho que todos nós deveríamos enxergar a morte com outros olhos, afinal, essa é a única certeza da vida.
    Tá de parabéns!

    Responder
    • Jade Amorim

      Ela é maravilhosa, não é verdade? Espero que já tenha conseguido, a esse ponto, colocar as mãos nesse livro incrível. Leitura muito mais que recomendada. 😉

      Responder
  • Viviane Oliveira

    Jade, meu bem! Saudades de passar por aqui, sabia? ✨

    Adorei o post e fiquei curiosa em ler esse livro. Vou colocar na minha lista de pendentes, sim.
    Beijão, babe

    Responder
    • Jade Amorim

      Oi Gata! Super coloque esse livro na listinha viu, porque ele é MARAVILHOSO! ♥

      Responder

Receba as novidades: