Raposa Crítica
Freebie Banco de Ideias
Resenhas Literárias
GUIAS TERA ONLINE

O assassino mais WTF de 'Destroçados'!

É difícil falar de um livro de investigação sem contar spoilers. O que é problemático já que o livro que quero apresentar é exatamente isso. Certamente vocês já ouviram falar da Karin Slaughter, ela é autora do livro Esposa Perfeita e muitos outros que estão na hype agora.

Eu não esperava ler um livro dela tão cedo, não por falta de interesse, só não estava nos planos. Mas aí firmei parceria com a Jade (maravilhosa dona desse blog) e recebi Destroçados. Um livro da Karin que eu nunca vi ninguém falando sobre. Aí já fiquei mais animada.

Comecei a leitura muito empolgada, mas quando vi que os capítulos eram imensos, tipo, muito mesmo, tinha um com quase 40 páginas! Isso me desanimou no começo, mas quanto mais a leitura avançava isso se tornava um problema cada vez menor para mim.

“[…] porque o mais fantástico sobre mentir era que as pessoas acreditavam, contanto que a mentira fosse próxima o bastante da verdade.

O grande crime de Destroçados

O livro é contado em terceira pessoa, e no ponto de vista de três personagens principais, que são: Sara Linton; Will Trent; Lena Adams e aparições ocasionais de outros. A transição entre um ponto de vista e outro é feito de uma forma muito boa e não incomoda em nada.

Logo no começo conhecemos a Allison Spooner, a primeira vítima de um assassino não identificado. O corpo da universitária é encontrado no lago da cidade e de início os policiais pensam que é um suicídio, mas um corte na parte de trás do pescoço da garota prova o contrário.

Nada disso é spoiler porque acontece nos primeiros dois ou três capítulos. Aí começa uma investigação que tem tudo para dar errado. E confia em mim, vai dar. O legal desses livros é você ir descobrindo junto com os detetives.

Você precisa passar por um tipo especial de inferno ou de amor para mudar quem é por dentro.

Estou com muitas opiniões conflitantes em relação a esse livro. O livro é maravilhoso até as partes finais. Acho que ouvir isso sobre um livro não é nada encorajador, mas esperem até eu me explicar.

Acompanhar o desenrolar da investigação é muito interessante. Eu não conseguia largar o livro (meu namorado está de prova). Eu queria, não, eu precisava saber mais. Saber se havia alguma pista perdida ou se estavam pertos de achar o/a culpado/a. A Karin criou uma trama envolvente que poucos autores conseguem.

Mas achei o/a assassino/a um pouco superestimado. A história toda estava dando a entender que era alguém super "Meu deus como assim?!" Mas na verdade foi mais "Não acredito que li tudo e foi isso" (insira meme antigo de “fuuuuuuuuu”). Minhas expectativas em relação ao vilão/vilã da história não foram alcançadas totalmente e quando eu terminei o livro, fiquei com a sensação de que faltava algo.

A vida é dura, mas não dá para a gente se abater com cada merdinha que acontece.

Claro, que isso pode ser só comigo. Como eu disse, não conheço ninguém que tenha lido, então se você já tiver lido, me fale nos comentários se concorda ou não. Mas de forma alguma eu estou desencorajando vocês a darem uma chance para Destroçados. Apesar disso tudo, acho que o começo e o meio compensam o final e que é uma leitura muito divertida e rápida.

Quando percebi eu já estava acabando. Eu amo livros com ritmos acelerados assim, então super valeu a pena essa leitura. Com certeza vou procurar outros livros da autora para ler.


Destroçados
Título da obra: Destroçados
Série: Will Trent #4
Autoria: Karin Slaughter
Páginas: 448
Gênero: Romance Policial / Suspense e Mistério
Editora: Record
Ano de publicação: 2017
Onde encontrar: SkoobGoodreads
Onde comprar: AmazonSaraivaSubmarino
Sinopse: Existem segredos que não podem ser levados para túmulo.O corpo de uma jovem é encontrado no fundo do gélido lago Grant, e um bilhete deixado sob uma pedra à sua margem sugere que ela tirou a própria vida. Mas, em questão de minutos, fica claro que aquilo não foi suicídio. Trata-se de um assassinato brutal, cometido a sangue-frio. Sara Linton, ex-médica legista do condado de Grant, hospedada na casa dos pais para passar o feriado de Ação de Graças, vê-se envolvida no caso quando o principal suspeito pede desesperadamente para falar com ela. Porém, quando ela chega à delegacia local, depara-se com uma tenebrosa cena na cela do prisioneiro: ele está morto, e as palavras “Não eu” foram rabiscadas na parede. Algo na confissão dele não faz sentido, então Sara convoca o Georgia Bureau of Investigation. Imediatamente, o agente especial Will Trent interrompe suas férias para se unir à equipe de investigação. No entanto, o que ele encontra é apenas uma muralha de silêncio no condado de Grant, uma comunidade extremamente unida, cujos habitantes possuem elos profundos. E a única pessoa que poderia contar a verdade sobre o que realmente aconteceu está morta.
As Coisas que eu Aprendi Depois que eu LI!
A diversidade em 'A longa viagem a um pequeno planeta hostil'
Resenha – Liberte meu Coração

Receba as novidades:

Receba as novidades: