Raposa Crítica
Freebie Banco de Ideias
Resenhas Literárias
GUIAS TERA ONLINE

'O Colecionador', de assassinatos à velório open bar

Não, o velório open bar não é o principal de O Colecionador, da fabulosa Nora Roberts. No entanto, é algo que eu realmente quero todo mundo fique sabendo logo de início. Eu não consigo superar diversas coisas neste livro, mas definitivamente o que eu menos consigo superar é que teve um velório open bar.

Lila nunca vivenciara nada assim. Apesar da estranheza de um open bar e da decoração totalmente branca, a dor que as pessoas sentiam era verdadeira e profunda.

— O Colecionador

O Colecionador foi de longe um dos melhores livros que eu já li em toda minha vida. Dito isto, preparem-se para um texto repleto de partes em itálico, negrito e escândalos via caps lock. Ótimo, agora que estão todos avisados, vamos ao conteúdo convencional de uma resenha.

Aproveite o nosso lar! (risos)

Em O Colecionador, Nora Roberts nos apresenta à lindona da Lila Emmerson. Ela cuida de casas enquanto os donos viajam. Além disso, ela é escritora de uma série infanto-juvenil e está terminando seu terceiro livro. Lila tem dois itens que sempre a acompanham: um canivete suíço, que é útil em inúmeras situações e um binóculos, com o qual ela bisbilhota os vizinhos dos outros apartamentos. Mania feia, alguns dizem. No entanto, ela justifica a intrusão na vida alheia como busca por novas histórias.

Após uma noite de vinho e mini-muffins com a melhor amiga, Lila resolve dar uma observadinha básica nos apartamentos do prédio ao lado. Então, naquela noite, Lila viu uma das moradoras ser empurrada da janela do 14º andar. Eu vou repetir, só para vocês terem noção da gravidade da situação: Lila foi a única a ver uma pessoa sendo empurrada pela janela 14 andares abaixo. Só ela viu. 

O vidro quebrou. A mulher explodiu para fora.

— O Colecionador

Como se a desgraça já não fosse grande, dentro do apartamento tinha outro cadáver. Era Oliver Archer, namorado da loira e principal suspeito, claro. É ele quem vai ser velado enquanto os parentes enchem a cara. Para a polícia, Oliver tinha empurrado a namorada pela janela e depois cometido suicídio – e fim da história. Já para o irmão lindão dele, Ashton Archer, a história do irmão mais novo assassino e suicida não lhe desce. Ele descobre que Lila é a única testemunha e com a ajuda dela, tenta descobrir o que diabos Oliver estava aprontando.

Vai demorar para descobrir quem é o colecionador, não se iludam

Foi o colecionador quem matou Oliver, já deixo este spoiler muito óbvio. Aliás, matou não – encomendou a morte dele. Mesmo se eu quisesse, eu não teria palavras para descrever a assassina, então vou deixar vocês tirarem as próprias conclusões. E quem é o colecionador, o que ele coleciona e o que Oliver tinha que ele queria tanto, também deixo para que vocês descubram. Vão ainda rolar muitos assassinatos, garanto. Embora só tenha um velório open bar.

Ash é um artista e vive em Nova York. A família Archer é enorme e podre de rica. Tinha que ser. Se fosse uma família de classe média ou baixa, não haveriam condições de realizar um velório open bar. Em um COMPLEXO. Os Archer têm um Complexo. É um Complexo mesmo, não é nem uma mansão, Nora Roberts colocou "Complexo". Eles têm um jatinho também, mas isso não vem à caso.

Outro detalhe sensacional: Ash tem planilhas no Excel para lembrar de todos os parentes. Em diversas ocasiões ele se dá o lembrete mental de olhar as planilhas para lembrar quem está casado com quem, quem tem quantos filhos e de quais casamentos esses filhos são. Isso é no mínimo genial, além de extremamente prático. Vou adotar esse sistema, inclusive.

Bom, com o desenvolver da história, Ash e Lila começam a se dar uns pegas. Aliás, é no primeiro encontro que já se percebe que esses dois precisam ficar juntos ou o mundo não faz mais sentido. Ash pede para desenhar Lila. ELE QUER DESENHAR A MULHER, BATEU O OLHO NELA E DISSE: "QUERO DESENHAR VOCÊ".

Isso eu também sou incapaz de comentar, então vou deixar mais essa questão nas mãos de vocês. E claro que a Nora Roberts vai mexer bastante com nossos corações sobre o relacionamento desses dois. MEXER PRA CARAMBA.

Eu a golpearia na coxa, na artéria femoral, com o meu salto alto e iria embora enquanto ela morre na calçada

— O Colecionador

O Colecionador segue um roteiro que lembra telenovelas mexicanas. Primeiro que todo mundo está envolvido com todo mundo, o que eu acho sensacional. A melhor amiga de Lila, chamada Julie, uma ruiva exuberante, é gerente de uma galeria de artes e conhece Ash. O melhor amigo de Ash, Luke, foi ex-marido de Julie, o que gera um romance secundário, mas tão lindo quanto o principal. Todo mundo já cruzou o caminho de todo mundo, a gente se perde, tem que voltar lá no começo para lembrar, é muito ótimo.

O crime é o fato principal sempre. Essa mescla entre cenas sangrentas e outras românticas é bem coisa de novela também. Uma hora alguém morre, outra hora alguns transam, e em ainda outras ocasiões, outros enchem a cara em um velório open bar. Tem gente que é empurrada da escada, isso é tão clássico de telenovela. Investigar crime sem ajuda da polícia, óbvio que tinha que ter. AH E ARMAM MUITO BARRACO TAMBÉM, CLARO. TODA FAMÍLIA GRANDE QUE SE PREZE TEM QUE ARMAR BARRACOS EM OCASIÕES ONDE TODOS SE REÚNEM.

A intensão de Nora Roberts com O Colecionador não é seriedade toda hora. Todas as cenas são repletas de sarcasmo, ironia e romancismo. E falando em romancismo, ô mulher que sabe romantizar bem, hein. Mas isso também deixo vocês descobrirem sozinhos.

O Colecionador é uma leitura muito deliciosa durante todos os capítulos. Todos os personagens têm personalidades muito fortes, o que faz toda a diferença.

O colecionador quer matar todo mundo, mas Lila sabe se cuidar 

O que eu gosto entre Ash e Lila é que eles não precisam um do outro. Antes de se conhecerem, já viviam muito bem e eram felizes sozinhos. Depois de ler algumas entrevistas da Nora Roberts falando sobre o livro e sobre suas personagens femininas em geral, foi bem proposital mesmo. Lila sabe muito bem como se virar. Já Ash é meio bruto, mentira, ele muito bruto, mas ele sabe que precisa aceitar sugestões.

Ele é uma pessoa muito mais prática e lógica, está acostumado a resolver todos os problemas de todos, o que o torna meio controlador. Toma a liderança em tudo, resolve tudo para os outros, está no comando de tudo. Menos de Lila. Ela não precisa dele e se incomoda com esse jeitão dele. Mas ela quer ajudá-lo. Ela praticamente ensina para Ash que eles são uma equipe. E isso deixa Ash às vezes irritado. Como resolver? Diálogo, mais diálogo, vinho, comida e fazendo muito amor. E então as coisas vão se resolvendo aos poucos, sem briga. Brigam uma vez só.

Lila também fica muito na dúvida o tempo todo. O tempo todo. E tudo bem. Isso eu acho muito maravilhoso também entre eles, esse processo de decisão que eles passam. Aliás, que todos os personagens passam. Eu gosto disso, quando autores descrevem todas as reflexões. O caminho cheio de dúvidas que torna o final meio que surpreendente, mas meio que não.

Acho que é isso que torna tudo ainda mais especial e forte, quando damos esse passo e somos capazes de dizer, tudo bem, essa é uma pessoa em quem confio, com quem quero estar e fazer planos.

— O Colecionador

E TUDO ISSO ENQUANTO A AMEAÇA DE UM ASSASSINO PAIRA SOBRE TODOS ELES, É CLARO

Eu li muitas críticas, resenhas e até mesmo reportagens sobre o livro antes de escrever meu texto. Claro que uma boa parcela de pessoas não gostou, mas tudo bem. O livro não tem a intenção de ser uma reflexão complexa e profunda sobre as questões fundamentais do universo. E tudo bem. Aliás, tudo ótimo. Leitura tem o objetivo de ser leve também, de vez em quando. A realidade, afinal, já é dura constantemente o suficiente.


O Colecionador
Título da obra: O Colecionador
Autoria: Nora Roberts
Páginas: 462
Gênero: Romance, Suspense e Mistério
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 9.78852862172E+12
Ano de publicação: 2017
Onde encontrar: SkoobGoodreads
Onde comprar: AmazonSaraivaSubmarino
Sinopse: Romance, ação e mistério em uma narrativa exemplar de Nora Roberts. Quando Lila Emerson testemunha um assassinato/suicídio do apartamento onde trabalha, a vida muda de maneira drástica. O artista Ashton Archer sabe que seu irmão seria incapaz de praticar tamanha violência — por isso, recruta Lila, a única testemunha ocular, para ajudá-lo a descobrir o que realmente aconteceu. Atribuindo a intensa atração que sentem um pelo outro ao calor do momento, Lila concorda em ajudar Ash a tentar descobrir quem matou seu irmão e por quê. Desde os alpendres de Manhattan até as grandes casas de campo italianas, sua investigação os atrai para um círculo seleto, onde valiosas antiguidades são compradas, vendidas, apostadas e roubadas; onde você é aquilo que possui; e onde o que você deseja se torna uma obsessão mortal...
Wishlist Literária para a Back Friday
'Para Cada Infinito' me fez querer jogar RPG!
Como sai da maior ressaca literária do ano

Receba as novidades:

17 comentários
  • Bárbara Cavalcanti

    GENTE, DESCULPA A DEMORA NOS COMENTÁRIOS, DE VERDADE. MAS AMEI TODOS DE CORAÇÃO <3

    Responder
  • Krol Hime

    Konnichiwa!!!!

    Nossa :OOO… achei interessante *o*… mas não e meu tipo de livro.
    T.T queria conseguir ler esse tipo de historias e devora-lo. Só que eu sou uma louca por romance, ou com tudo aquilo que você disse acima, reflexões… e cia….

    Jade-san;… preciso te pedir um favor….

    Então =.=….
    Eu nunca, mas nuncaaaa faço o que irei fazer agora, só que eu realmente quero que conheça o novo projeto do meu blog e um melodrama chamado Otome no yume que eu e meus Nakamas estamos fazendo, e esse mês saio o primeiro episodio. Queria muito que assistisse. Onegaii??? Otome no Yume Ep. 1

    Arigatou <3

    otimo final de semana

    kissu:***

    Watashi no sekai

    Responder
    • Bárbara Cavalcanti

      Aqui não é a Jade, mas a gente te apoia sim ;3; obrigada pela visualização aqui desde já ;3;

      Responder
  • Hanna Carolina

    Gente!!!!!!!!!!! Eu tenho que pegar esse livro pra ontem!!!!!!
    Eu quero urgente!!!!!!!!!! Estou sentindo falta de ler livros desse tipo e nunca tinha lido nada de Nora Roberts. Agora preciso ler!!!1
    Bjks!

    Obs. Ah, to passando aqui para te avisar que é com muito carinho que anuncio: Você foi indicada ao prêmio Blogger Mystery Award! =)
    Meus parabéns! Mais informações aqui http://mundinhodahanna.blogspot.com.br/2017/06/premio-mistery-blogger-award.html

    Responder
    • Bárbara Cavalcanti

      MAS MENINA <3 <3 <3 MAS MUITO QUE OBRIGADA

      Responder
  • Lívia Santana

    Nossa amei a resenha! Fiquei chateada com o spoiler, mas lembrei que eu rio na cara de spoiler (ok quando se trata de descobrir um assassino nem tanto), então leria mesmo assim para ver o desenrolar. Adorei as fotos também. Parabéns pela resenha!!

    Responder
    • Bárbara Cavalcanti

      Obrigada pela dica, vou cuidar os spoilers nas próximas resenhas :3 Mas para a minha defesa: a assassina aparece no começo do 2 capítulo. Falar de coisa do capítulo 2 já é considerado spoiler? ahhahahah E lê sim, lê lá e me conta o que achou, eu vou amar <3

      Responder
  • Rubyane Santos

    "A realidade, afinal, já é dura constantemente o suficiente" adorei! Vou escrever essa frase na minha parede haha
    Já vi muito o nome da Nora Roberts por aí mas seus livros nunca chamaram a minha atenção, se não foce pela sua resenha esse livro provavelmente não teria me interessado também. Mas sua resenha ficou tão contagiante que fiquei com vontade de ler o livro, a resenha ficou muito bem construída, alias. Parabéns!

    Responder
    • Bárbara Cavalcanti

      A CADA COMENTÁRIO EU QUERO CHORAR DE FELICIDADE, GENTE, MUITO OBRIGADA, DE CORAÇÃO <3 <3 <3 <3 <3

      Responder
  • Mari

    Gente, nunca que ia pensar em pegar esse livro para ler, mas agora que li seu post, quero muito ler! Amei a maneira como você apresentou esse livro, deu para ter uma ideia de como é a história, mas ao mesmo tempo, deu pra deixar a gente bem curioso para saber como vai acabar. Vou tentar ler assim que puder!
    Beijos
    Mari
    http://www.pequenosretalhos.com

    Responder
    • Bárbara Cavalcanti

      Menina do céu, essa reação superou todas as minhas expectativas!!!! <3 <3 <3 Lê e me conta!!!! Muito obrigada, de verdade!!!

      Responder
  • Graziele Lima

    Que resenha bem escrita, adorei! Não tinha ainda ouvido falar nesse livro, mas a sinopse me conquistou… deve ser desses livros que a gente fica tentando juntar as pistas pra descobrir quem é o assassino antes do fim… VELÓRIO OPEN BAR?? Nunca tinha ouvido falar nisso… eu vejo nos filmes e séries o povo comendo e bebendo em velório, mas esse aí mais me pareceu uma festa… do tipo "tome um porre e esqueça que o cara morreu" :'D

    Curti o método de listar a família numa planilha também… boa tática! HEHEHHE…

    Beijos ♥
    https://eueminhaestupidez.blogspot.com.br/

    Responder
    • Bárbara Cavalcanti

      gente, sério, vocês querem acabar com meu coração falando em resenha bem escrita, não é mesmo? MUITO OBRIGADA, DE VERDADE, DE CORAÇÃO!!
      e SIM VOCÊ FICA LOUCÃO ACHANDO QUE SABE QUEM É A CADA PÁGINA
      lê e me conta o que achou depois <3

      Responder
  • Thayama

    Adorei sua resenha, conheço alguns livros da Nora, só por ler as resenhas, mas estou doida pra comprar o meu primeiro e começar uma coleção (hahaha). E acho que será este :B
    Além do que, o livro é lindo!

    Responder
    • Bárbara Cavalcanti

      Siiim, começa por esse!! Lê e me diz o que achou!! <3 <3 muito obrigada pelo elogio!!!

      Responder
  • Carol Sena

    nossa \0/ Cara eu fiquei embasbacada só com essa resenha, vou baixar pra já. A Nora sempre arrasa nos livros, e quero muito saber de qual é desse velório open bar kkkk
    sua resenha esta ótima, bem explicada e sem deixar escapar nada importante, gostei mesmo, instigou muito a minha curiosidade

    Blog Entre Ver e Viver

    Responder
    • Bárbara Cavalcanti

      ai meu coração!! <3 a cada comentário sobre a minha resenha em si, eu quero morrer de fofura ;3; muito obrigada, de verdade!! e espero que você ame esse livro tanto quanto eu!!

      Responder

Receba as novidades: